Corredor do Lobito prevê atingir capacidade de exportação anual de um milhão de toneladas.

O corredor do Lobito prevê atingir uma alocação de capacidade de exportação anual de um milhão de toneladas, através da Trafigura, LAR, Ivanhoe Mines e a Zijin Mining, a partir de 2025. De acordo com a Assessoria de Imprensa da LAR – Atlantic Lobito Corridor.

As empresas supracitadas têm o compromisso de exportação inicial de 10 000 toneladas a serem transportadas em 2024, o que vai permitir ao Corredor o incremento a sua operacionalidade.

A partir do próximo ano, a alocação de capacidade de exportação da Trafigura através da LAR será de até 450.000 toneladas por ano. Além disso, ao complexo de cobre Kamoa-Kakula, uma joint venture entre a Ivanhoe Mines e a Zijin Mining, foi atribuída uma capacidade mínima de 120.000 toneladas e até 240.000 toneladas por ano de produtos de cobre - blister-ânodo ou concentrado.

Em 2022, o consórcio Lobito Atlantic Railway, constituído pela Trafigura, Mota-Engil e Vecturis, obteve a concessão por 30 anos para a operação, gestão e manutenção do Corredor do Lobito e do terminal mineraleiro do porto do Lobito. A linha, quando completamente modernizada, proporcionará uma rota mais eficiente e com menor emissão de teor de carbono para o mercado de cobre, cobalto e outros metais cruciais para a transição energética e vai operar de forma comercialmente aberta com todo o mercado. 

O projecto de reabilitação do Corredor do Lobito beneficia do apoio dos governos de Angola, RDC, Zâmbia e da Parceria para o Investimento Global em Infraestruturas (PGII) do governo dos EUA.

No entanto, apresenta um investimento de mais de 500 milhões de dólares durante a vigência da concessão, com um financiamento potencial de pelo menos 250 milhões de dólares da Corporação Financeira de Desenvolvimento Internacional dos EUA. O investimento vai permitir a renovação de troços da linha férrea e infraestruturas associadas, além de garantir mais a aquisição de mais 1.500 vagões e 35 locomotivas.

Corredor do Lobito prevê atingir capacidade de exportação anual de um milhão de toneladas

O corredor do Lobito prevê atingir uma alocação de capacidade de exportação anual de um milhão de toneladas, através da Trafigura, LAR, Ivanhoe Mines e a Zijin Mining, a partir de 2025. De acordo com a Assessoria de Imprensa da LAR – Atlantic Lobito Corridor.

Fev 9, 2024 - 12:55
Última atualização   - 10:37
Corredor do Lobito prevê atingir capacidade de exportação anual de um milhão de toneladas
© Fotografia por: DR
Corredor do Lobito prevê atingir capacidade de exportação anual de um milhão de toneladas

As empresas supracitadas têm o compromisso de exportação inicial de 10 000 toneladas a serem transportadas em 2024, o que vai permitir ao Corredor o incremento a sua operacionalidade.

A partir do próximo ano, a alocação de capacidade de exportação da Trafigura através da LAR será de até 450.000 toneladas por ano. Além disso, ao complexo de cobre Kamoa-Kakula, uma joint venture entre a Ivanhoe Mines e a Zijin Mining, foi atribuída uma capacidade mínima de 120.000 toneladas e até 240.000 toneladas por ano de produtos de cobre - blister-ânodo ou concentrado.

Em 2022, o consórcio Lobito Atlantic Railway, constituído pela Trafigura, Mota-Engil e Vecturis, obteve a concessão por 30 anos para a operação, gestão e manutenção do Corredor do Lobito e do terminal mineraleiro do porto do Lobito. A linha, quando completamente modernizada, proporcionará uma rota mais eficiente e com menor emissão de teor de carbono para o mercado de cobre, cobalto e outros metais cruciais para a transição energética e vai operar de forma comercialmente aberta com todo o mercado. 

O projecto de reabilitação do Corredor do Lobito beneficia do apoio dos governos de Angola, RDC, Zâmbia e da Parceria para o Investimento Global em Infraestruturas (PGII) do governo dos EUA.

No entanto, apresenta um investimento de mais de 500 milhões de dólares durante a vigência da concessão, com um financiamento potencial de pelo menos 250 milhões de dólares da Corporação Financeira de Desenvolvimento Internacional dos EUA. O investimento vai permitir a renovação de troços da linha férrea e infraestruturas associadas, além de garantir mais a aquisição de mais 1.500 vagões e 35 locomotivas.