BPC e Access Bank ‘despacham’ dólar e euro com taxas mais caras do mercado.

Até à data do levantamento dos dados, o BPC despachava um euro nos 991.9 Kwanzas, sendo que o Acess Bank cobrava, para cada dólar, 901,1 kwanzas/dólar.

Os bancos de Poupança e Crédito (BPC) e o Access Bank figuram entre as instituições do mercado bancário que mais caro vendem as notas de euro e dólar, de acordo com as taxas praticadas pelos bancos até o dia 18, conforme o preçário disponível no site.

Até à data do levantamento dos dados, o BPC despachava um euro nos 991.9 Kwanzas, sendo que o Acess Bank cobrava, para cada dólar, 901,1 kwanzas/dólar.

A justificar a subida da moeda está a escassez de moeda estrangeira, que está a empurrar as empresas e os particulares para o mercado informal, sendo que a diferença de câmbio entre as taxas do oficial e do paralelo já está na ordem dos 30%. Os bancos comerciais também aplicam diferentes taxas de câmbio e o Expansão traz os valores da passada terça-feira.

No agregado de todos os bancos, o dólar estava a ser comercializado pelo valor mínimo de 852,5 kwanzas. Enquanto isso nos mercados informais o dólar era vendido por 1.090 kwanzas, mais 237,5 Kwanzas, ou seja, 28% acima.

Quanto ao euro, até à última terça-feira, era comercializado por um preço mínimo de 913 Kwanzas nos bancos comerciais enquanto as kinguilas vendiam por 1.220 Kz, mais 307 kwanzas , ou seja, 33% acima.

Apesar dos custos serem mais elevados nos mercados informais, a procura continua a crescer já que os bancos continuam com escassez de divisas e com prazos muito longos para as transferências internacionais.

Em geral, as taxas de câmbio do dólar norte-americano nos diferentes bancos comercias variavam entre os 852,5 e os 901,1 kwanzas. Já o euro, até 18 de Maio, valia nos diferentes bancos entre 913,0 a 991,9 kwanzas por cada unidade.

O Banco Angolano de Investimentos (BAI), por exemplo, voltou a reduzir o valor limite de carregamentos mensais dos cartões Visa BAI Kamba de 500 para 250 dólares, ao que justificou apontando para excepcionalidades na evolução do mercado cambial.

Por sua vez, o Banco Oficial da China tinha apenas disponível no site as taxas de câmbio referentes ao dia 14 do corrente mês. Já o Standard Chartered Bank Angola, tendo em conta a natureza das suas actividades não tem disponível no seu site as taxas de câmbio praticadas pelo banco e foram usadas na reportagem as informações obtidas no site do BNA conforme indicou a própria instituição.

É ainda importante lembrar que até Maio deste ano, o BNA já vendeu divisas avaliadas em 297 milhões de dólares aos bancos comerciais, de forma a atenuar a escassez no mercado.

No mês Maio o BNA disponibilizou mais 200 milhões de dólares no mercado cambial montantes que foram adquiridos na totalidade por 17 bancos comerciais. A medida foi tomada com o objectivo de contornar a falta de moeda estrangeira que tem se verificado desde o ano passado, já que os bancos passaram a ter acesso a menos divisas.

Para se ter uma ideia, os bancos comerciais passaram a ter acesso apenas a cerca de 600 milhões USD por mês, equivalente a metade do valor mensal transaccionado em 2022. Apesar das importações terem caído cerca de 40%, a verdade é que existe um claro desequilibro entre aquilo que é a procura e a oferta de divisas, seja no sector empresarial como para particulares.

Em Fevereiro, o Tesouro já tinha disponibilizado 300 milhões USD que foram adquiridos na totalidade por 19 bancos comerciais em apenas duas horas Entretanto, com uma procura tão elevada, a pressão sobre o mercado cambial deve continuar, empurrando também a procura para o mercado informal, o que levou ao aumento do gap entre o oficial e o paralelo, que já ronda os 30%.

Com Expansão

BPC e Access Bank ‘despacham’ dólar e euro com taxas mais caras do mercado

Até à data do levantamento dos dados, o BPC despachava um euro nos 991.9 Kwanzas, sendo que o Acess Bank cobrava, para cada dólar, 901,1 kwanzas/dólar.

Jun 21, 2024 - 14:50
Última atualização   - 14:52
BPC e Access Bank ‘despacham’ dólar e euro com taxas mais caras do mercado
© Fotografia por: DR
BPC e Access Bank ‘despacham’ dólar e euro com taxas mais caras do mercado

Os bancos de Poupança e Crédito (BPC) e o Access Bank figuram entre as instituições do mercado bancário que mais caro vendem as notas de euro e dólar, de acordo com as taxas praticadas pelos bancos até o dia 18, conforme o preçário disponível no site.

Até à data do levantamento dos dados, o BPC despachava um euro nos 991.9 Kwanzas, sendo que o Acess Bank cobrava, para cada dólar, 901,1 kwanzas/dólar.

A justificar a subida da moeda está a escassez de moeda estrangeira, que está a empurrar as empresas e os particulares para o mercado informal, sendo que a diferença de câmbio entre as taxas do oficial e do paralelo já está na ordem dos 30%. Os bancos comerciais também aplicam diferentes taxas de câmbio e o Expansão traz os valores da passada terça-feira.

No agregado de todos os bancos, o dólar estava a ser comercializado pelo valor mínimo de 852,5 kwanzas. Enquanto isso nos mercados informais o dólar era vendido por 1.090 kwanzas, mais 237,5 Kwanzas, ou seja, 28% acima.

Quanto ao euro, até à última terça-feira, era comercializado por um preço mínimo de 913 Kwanzas nos bancos comerciais enquanto as kinguilas vendiam por 1.220 Kz, mais 307 kwanzas , ou seja, 33% acima.

Apesar dos custos serem mais elevados nos mercados informais, a procura continua a crescer já que os bancos continuam com escassez de divisas e com prazos muito longos para as transferências internacionais.

Em geral, as taxas de câmbio do dólar norte-americano nos diferentes bancos comercias variavam entre os 852,5 e os 901,1 kwanzas. Já o euro, até 18 de Maio, valia nos diferentes bancos entre 913,0 a 991,9 kwanzas por cada unidade.

O Banco Angolano de Investimentos (BAI), por exemplo, voltou a reduzir o valor limite de carregamentos mensais dos cartões Visa BAI Kamba de 500 para 250 dólares, ao que justificou apontando para excepcionalidades na evolução do mercado cambial.

Por sua vez, o Banco Oficial da China tinha apenas disponível no site as taxas de câmbio referentes ao dia 14 do corrente mês. Já o Standard Chartered Bank Angola, tendo em conta a natureza das suas actividades não tem disponível no seu site as taxas de câmbio praticadas pelo banco e foram usadas na reportagem as informações obtidas no site do BNA conforme indicou a própria instituição.

É ainda importante lembrar que até Maio deste ano, o BNA já vendeu divisas avaliadas em 297 milhões de dólares aos bancos comerciais, de forma a atenuar a escassez no mercado.

No mês Maio o BNA disponibilizou mais 200 milhões de dólares no mercado cambial montantes que foram adquiridos na totalidade por 17 bancos comerciais. A medida foi tomada com o objectivo de contornar a falta de moeda estrangeira que tem se verificado desde o ano passado, já que os bancos passaram a ter acesso a menos divisas.

Para se ter uma ideia, os bancos comerciais passaram a ter acesso apenas a cerca de 600 milhões USD por mês, equivalente a metade do valor mensal transaccionado em 2022. Apesar das importações terem caído cerca de 40%, a verdade é que existe um claro desequilibro entre aquilo que é a procura e a oferta de divisas, seja no sector empresarial como para particulares.

Em Fevereiro, o Tesouro já tinha disponibilizado 300 milhões USD que foram adquiridos na totalidade por 19 bancos comerciais em apenas duas horas Entretanto, com uma procura tão elevada, a pressão sobre o mercado cambial deve continuar, empurrando também a procura para o mercado informal, o que levou ao aumento do gap entre o oficial e o paralelo, que já ronda os 30%.

Com Expansão