Hotéis e fábricas recuperados pela PGR com valor de oito mil milhões de USD.

Cerca de 84 unidades hoteleiras, fábricas têxteis, apartamentos, construídos com fundos públicos e que estavam na esfera privada, por indivíduos que lesaram o erário, custam, actualmente, oito mil milhões de dólares norte americanos, para além, do desvio de dinheiro em (AKZ) e dólares (USD).

A informação consta de uma nota chegada a nossa redacção, proveniente de uma fonte bem situada na Procuradoria Geral da República (PGR) sobre o processo de recuperação de bens financiados com recursos públicos, mas em posse de agentes privados.

Os activo acima referenciados onde estão igualmente incluídos várias vivendas encontram-se no país e no estrangeiros, onde se destacam, às fábricas devolvidas ao Estado, que totalizam 1.372 milhões USD, o maior a Nova Cimangola, arrestada em 2019 num processo que visava as participações de Sindika Dokolo ( já falecido) e de Isabel dos Santos.

A cimenteira acima mencionada está avaliada em 344 milhões USD e está sob gestão do Ministério do Comércio e Indústria. Entre as mais de 200 referências, os hotéis e as fábricas totalizam cerca de 3.000 milhões USD.

Só em hotéis recuperados a favor do Estado constam 84 unidades, avaliadas em 1.506 milhões USD, na larga maioria dos casos relacionadas com o processo da seguradora AAA, entretanto falida e extinta, e do seu antigo gestor e accionista Carlos São Vicente, condenado em primeira instância por peculato, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

A lista inclui 17 unidades da rede IKA, espalhadas pelo mesmo número de províncias e mais 61 imóveis da rede IU, também espalhados por quase todas as regiões do País.

A lista dos hotéis agora em posse do Estado contabiliza mais cinco unidades, entre elas o Hotel Thyke (localizado no espaço onde funcionava o antigo Teatro Avenida, nos Coqueiros), em Luanda, que também foi arrestado no processo que envolve o economista Carlos São Vicente.

Só na Suíça (900 milhões USD) e em Singapura (550 milhões USD), o antigo gestor - que tinha fortes ligações a Manuel Vicente - acumulou 1.450 milhões USD depositados em contas bancárias. Entretanto estes valores ainda não estão na posse do Estado pelo que não fazem parte desta lista.

As restantes sete unidades sob controlo estatal incluem também três conhecidas unidades têxteis (SATEC, no Dondo, Textang II, em Luanda e a fábrica têxtil de Benguela), todas privatizadas no formato de cessão de exploração, com opção de compra no final dos contratos. 

Cada uma destas fábricas, recuperadas no pós-guerra com recurso a um financiamento bilateral do Japão, está avaliada em 273 milhões USD.Para além das fábricas e hotéis, a lista de bens recuperados inclui participações sociais em empresas, edifícios, apartamentos, vivendas e outros activos como lojas e imóveis em Angola e no estrangeiro.

Por: Maquento Domingos

Fonte: Inclui igualmente, nota oficial da PGR.

Hotéis e fábricas recuperados pela PGR com valor de oito mil milhões de USD

Cerca de 84 unidades hoteleiras, fábricas têxteis, apartamentos, construídos com fundos públicos e que estavam na esfera privada, por indivíduos que lesaram o erário, custam, actualmente, oito mil milhões de dólares norte americanos, para além, do desvio de dinheiro em (AKZ) e dólares (USD).

Ago 2, 2023 - 17:19
Última atualização   - 12:07
Hotéis e fábricas recuperados pela PGR com valor de oito mil milhões de USD
© Fotografia por: DR
Hotéis e fábricas recuperados pela PGR com valor de oito mil milhões de USD

A informação consta de uma nota chegada a nossa redacção, proveniente de uma fonte bem situada na Procuradoria Geral da República (PGR) sobre o processo de recuperação de bens financiados com recursos públicos, mas em posse de agentes privados.

Os activo acima referenciados onde estão igualmente incluídos várias vivendas encontram-se no país e no estrangeiros, onde se destacam, às fábricas devolvidas ao Estado, que totalizam 1.372 milhões USD, o maior a Nova Cimangola, arrestada em 2019 num processo que visava as participações de Sindika Dokolo ( já falecido) e de Isabel dos Santos.

A cimenteira acima mencionada está avaliada em 344 milhões USD e está sob gestão do Ministério do Comércio e Indústria. Entre as mais de 200 referências, os hotéis e as fábricas totalizam cerca de 3.000 milhões USD.

Só em hotéis recuperados a favor do Estado constam 84 unidades, avaliadas em 1.506 milhões USD, na larga maioria dos casos relacionadas com o processo da seguradora AAA, entretanto falida e extinta, e do seu antigo gestor e accionista Carlos São Vicente, condenado em primeira instância por peculato, fraude fiscal e branqueamento de capitais.

A lista inclui 17 unidades da rede IKA, espalhadas pelo mesmo número de províncias e mais 61 imóveis da rede IU, também espalhados por quase todas as regiões do País.

A lista dos hotéis agora em posse do Estado contabiliza mais cinco unidades, entre elas o Hotel Thyke (localizado no espaço onde funcionava o antigo Teatro Avenida, nos Coqueiros), em Luanda, que também foi arrestado no processo que envolve o economista Carlos São Vicente.

Só na Suíça (900 milhões USD) e em Singapura (550 milhões USD), o antigo gestor - que tinha fortes ligações a Manuel Vicente - acumulou 1.450 milhões USD depositados em contas bancárias. Entretanto estes valores ainda não estão na posse do Estado pelo que não fazem parte desta lista.

As restantes sete unidades sob controlo estatal incluem também três conhecidas unidades têxteis (SATEC, no Dondo, Textang II, em Luanda e a fábrica têxtil de Benguela), todas privatizadas no formato de cessão de exploração, com opção de compra no final dos contratos. 

Cada uma destas fábricas, recuperadas no pós-guerra com recurso a um financiamento bilateral do Japão, está avaliada em 273 milhões USD.Para além das fábricas e hotéis, a lista de bens recuperados inclui participações sociais em empresas, edifícios, apartamentos, vivendas e outros activos como lojas e imóveis em Angola e no estrangeiro.

Por: Maquento Domingos

Fonte: Inclui igualmente, nota oficial da PGR.