ENDE restabelece sistema para energias pré-pagas, mas famílias só poderão carregar saldo ao balcão.

Após o ‘black-out’ que durou quase a semana toda, com várias famílias e empresas privadas de energia eléctrica, ao que somam vários prejuízos, a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) diz já ter solucionado a avaria. Entretanto, não explica as causas, tão pouco mensura os custos que o ‘apagão’ gerou aos cofres públicos.

A Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) já recuperou, após quase uma semana, os sistemas informáticos que possibilitam a compra de energia eléctrica pré-paga, de acordo com o seu engenheiro senior, Lauro Fortunato.

O ‘black-out’ durou quase uma semana e, ao Kieto Economia, várias famílias e  agentes económicos relataram crises diversas dada a falta de energia, ou por  estes não terem conseguido recarregar a energia. Entretanto, a empresa não explica as causas, tão pouco mensura os custos que o ‘apagão’ gerou aos cofres públicos.

Apesar de já ter levantado os sistemas, as famílias ficam, entretanto, impedidas de poder fazer carregamento de forma remota, pelo que terão de se dirigir aos balcões para o efeito.

O anúncio da avaria do sistema informático foi posto a circular no início da semana, com a ENDE-EP a dar nota de que, “devido a uma anomalia no sistema informático, registada nas primeiras horas desta Segunda-feira, estão interrompidas as vendas de energia pré e pós-pago, nos canais presenciais e não presenciais em todo o território nacional”.

Na altura, Lauro Fortunato admitiu mesmo que todos os consumidores da energia da ENDE não poderiam proceder ao carregamento dos saldos. “Na verdade, o que se passa é um defeito no sistema informático e que afectou as vendas de energia no sistema pré-pago e pós-pago, presencial e não presencial. Ou seja, neste momento, os clientes estão privados do tratamento destas questões”, sublinhou o quadro da ENDE.

Isto impediu, na prática, que hospitais, bancos e demais empresas não pudessem fazer carregamentos, complicando, deste modo, as suas operações, sobretudo as maternidades e instituições afins, que poderão colapsar a qualquer momento.

ENDE restabelece sistema para energias pré-pagas, mas famílias só poderão carregar saldo ao balcão

Após o ‘black-out’ que durou quase a semana toda, com várias famílias e empresas privadas de energia eléctrica, ao que somam vários prejuízos, a Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) diz já ter solucionado a avaria. Entretanto, não explica as causas, tão pouco mensura os custos que o ‘apagão’ gerou aos cofres públicos.

Set 22, 2023 - 15:30
Última atualização   - 12:46
ENDE restabelece sistema para energias pré-pagas, mas famílias só poderão carregar saldo ao balcão
© Fotografia por: DR
ENDE restabelece sistema para energias pré-pagas, mas famílias só poderão carregar saldo ao balcão

A Empresa Nacional de Distribuição de Electricidade (ENDE) já recuperou, após quase uma semana, os sistemas informáticos que possibilitam a compra de energia eléctrica pré-paga, de acordo com o seu engenheiro senior, Lauro Fortunato.

O ‘black-out’ durou quase uma semana e, ao Kieto Economia, várias famílias e  agentes económicos relataram crises diversas dada a falta de energia, ou por  estes não terem conseguido recarregar a energia. Entretanto, a empresa não explica as causas, tão pouco mensura os custos que o ‘apagão’ gerou aos cofres públicos.

Apesar de já ter levantado os sistemas, as famílias ficam, entretanto, impedidas de poder fazer carregamento de forma remota, pelo que terão de se dirigir aos balcões para o efeito.

O anúncio da avaria do sistema informático foi posto a circular no início da semana, com a ENDE-EP a dar nota de que, “devido a uma anomalia no sistema informático, registada nas primeiras horas desta Segunda-feira, estão interrompidas as vendas de energia pré e pós-pago, nos canais presenciais e não presenciais em todo o território nacional”.

Na altura, Lauro Fortunato admitiu mesmo que todos os consumidores da energia da ENDE não poderiam proceder ao carregamento dos saldos. “Na verdade, o que se passa é um defeito no sistema informático e que afectou as vendas de energia no sistema pré-pago e pós-pago, presencial e não presencial. Ou seja, neste momento, os clientes estão privados do tratamento destas questões”, sublinhou o quadro da ENDE.

Isto impediu, na prática, que hospitais, bancos e demais empresas não pudessem fazer carregamentos, complicando, deste modo, as suas operações, sobretudo as maternidades e instituições afins, que poderão colapsar a qualquer momento.