Quebra no sistema informático da ENDE pode forçar ‘apagão’ geral em todo o País devido a avarias no sistema de pagamento.

Aplicativos informáticos que permitem o pagamento das recargas de energia na Empresa Nacional de Electricidade (ENDE) colapsaram. Na prática, quem vir a sua energia terminada, seja hospital, empresas ou bancos, não poderá recarregar. Fonte da Associação de Defesa dos Consumidores fala em grave ameaça aos direitos das pessoas.

Os sistemas que permitem o carregamento ou compra de energia pré-paga ou pós-pagas na Empresa Nacional de Electricidade (ENDE) estão, desde ontem, fora de serviço, devido a uma varia cuja origem ainda não está identificada, o que poderá levar a um ‘apagão’ geral em quase todas as províncias de Angola, explicam aanalistas e fontes da ENDE ao Kieto Economia, após análise do documento emitido por aquela empresa a explicar a situação.

O anúncio da avaria do sistema informático foi posto a circular no fim da tarde desta Segunda-feira, 18, com a ENDE-EP a dar nota de que, “devido a uma anomalia no sistema informático, registada nas primeiras horas desta Segunda-feira, estão interrompidas as vendas de energia pré e pós-pago, nos canais presenciais e não presenciais em todo o território nacional”.

Ao Kieto Economia, Lauro Fortunato, que é engenheiro naquela empresa pública, admitiu mesmo que todos os consumidores da energia da ENDE não poderão proceder ao carregamento dos saldos. “Na verdade, o que se passa é um defeito no sistema informático e que afectou as vendas de energia no sistema pré-pago e pós-pago, presencial e não presencial. Ou seja, neste momento, os clientes estão privados do tratamento destas questões”, sublinhou o quadro da ENDE.

Isto significa, na prática, que até hospitais, bancos e demais empresas não poderão fazer, complicando, deste modo, as suas operações, sobretudo as maternidades e instituições afins, que poderão colapsar a qualquer momento.

Entretanto, Lauro Fortunato tranquiliza que, para já, as equipas neste momento continuam a trabalhar, desde ontem, no sentido de rapidamente tratar-se desse assunto. “É a nível nacional. Tratam-se de todos os clientes da ENDE do sistema pré-pago de Cabinda ao Cunene. Pedimos neste momento a racionalização da energia, sobretudo nesta altura aqueles que têm sistema de pré-pagamento. Estamos a trabalhar para rapidamente resolver-se essa questão”, avisou aquele técnico  da ENDE, que desconhece quando a situação voltará ao normal.

Quebra no sistema informático da ENDE pode forçar ‘apagão’ geral em todo o País devido a avarias no sistema de pagamento

Aplicativos informáticos que permitem o pagamento das recargas de energia na Empresa Nacional de Electricidade (ENDE) colapsaram. Na prática, quem vir a sua energia terminada, seja hospital, empresas ou bancos, não poderá recarregar. Fonte da Associação de Defesa dos Consumidores fala em grave ameaça aos direitos das pessoas.

Set 19, 2023 - 16:22
Última atualização   - 18:07
Quebra no sistema informático da ENDE pode forçar ‘apagão’ geral em todo o País devido a avarias no sistema de pagamento
© Fotografia por: DR
Quebra no sistema informático da ENDE pode forçar ‘apagão’ geral em todo o País devido a avarias no sistema de pagamento

Os sistemas que permitem o carregamento ou compra de energia pré-paga ou pós-pagas na Empresa Nacional de Electricidade (ENDE) estão, desde ontem, fora de serviço, devido a uma varia cuja origem ainda não está identificada, o que poderá levar a um ‘apagão’ geral em quase todas as províncias de Angola, explicam aanalistas e fontes da ENDE ao Kieto Economia, após análise do documento emitido por aquela empresa a explicar a situação.

O anúncio da avaria do sistema informático foi posto a circular no fim da tarde desta Segunda-feira, 18, com a ENDE-EP a dar nota de que, “devido a uma anomalia no sistema informático, registada nas primeiras horas desta Segunda-feira, estão interrompidas as vendas de energia pré e pós-pago, nos canais presenciais e não presenciais em todo o território nacional”.

Ao Kieto Economia, Lauro Fortunato, que é engenheiro naquela empresa pública, admitiu mesmo que todos os consumidores da energia da ENDE não poderão proceder ao carregamento dos saldos. “Na verdade, o que se passa é um defeito no sistema informático e que afectou as vendas de energia no sistema pré-pago e pós-pago, presencial e não presencial. Ou seja, neste momento, os clientes estão privados do tratamento destas questões”, sublinhou o quadro da ENDE.

Isto significa, na prática, que até hospitais, bancos e demais empresas não poderão fazer, complicando, deste modo, as suas operações, sobretudo as maternidades e instituições afins, que poderão colapsar a qualquer momento.

Entretanto, Lauro Fortunato tranquiliza que, para já, as equipas neste momento continuam a trabalhar, desde ontem, no sentido de rapidamente tratar-se desse assunto. “É a nível nacional. Tratam-se de todos os clientes da ENDE do sistema pré-pago de Cabinda ao Cunene. Pedimos neste momento a racionalização da energia, sobretudo nesta altura aqueles que têm sistema de pré-pagamento. Estamos a trabalhar para rapidamente resolver-se essa questão”, avisou aquele técnico  da ENDE, que desconhece quando a situação voltará ao normal.