Banca fecha 2023 com lucros a crescerem 66% influenciados pelas operações cambiais .

A ajudar estiveram as operações cambiais e demais margens financeiras, além dos proveitos com títulos públicos. 

As contas de balanço de todo exercício financeiro de 2023 dos bancos que divulgaram os seus relatórios e contas registaram um crescimento de 65,8% 'empurrados' pelo crescimento do crédito a cliente e depósitos, além das operações cambiais, de acordo com o Banca em Análise, da Deloitte.

A ajudar esteve, entre outros,  a subida do  produto bancário, com  aumento de 48%. 

Este aumento traduz-se ainda pelo crescimento de 261% dos resultados cambiais que totalizaram 452 mil milhões de kwanzas, decorrente da desvalorização cambial do Kwanza face ao Euro e ao Dólar norte-americano, bem como pelo crescimento dos Resultados de activos e passivos financeiros avaliados ao justo valor através de resultados, em torno dos 180 mil milhões de kwanzas face ao período homólogo resultante da mais-valia gerada pela alienação de dívida pública Angolana efectuada por alguns Bancos.

A 18ª edição do Banca em Análise, ficou marcada por uma evolução positiva do sector,  tenho registado um aumento do crédito líquido concedido a clientes  na ordem dos 40%. O volume de depósitos registou um aumento na ordem dos 31% face a 2022, ainda que inferior ao aumento da massa monetária, que registou uma variação de 37,8% em 2023, o que se traduz no aumento de numerário em poder do público, instituições e empresas que não foi capturado pelo sector bancário.

No período referente,  a rede de Cartões Multicaixa Emitidos cresceu 10,5% e o número de Caixas Automáticas (ATM), 11,1% respectivamente. As transacções em TPA cresceram 25% e o Multicaixa Express tem vindo a reforçar a sua popularidade com um aumento de 54,9% em 2023. 

Todavia, o comércio electrónico, que tem vindo a ganhar expressão no mercado nacional, registou um aumento de 48% nas transacções totais efectuadas na banca.

Banca fecha 2023 com lucros a crescerem 66% influenciados pelas operações cambiais 

A ajudar estiveram as operações cambiais e demais margens financeiras, além dos proveitos com títulos públicos. 

Jun 24, 2024 - 12:50
Última atualização   - 12:51
Banca fecha 2023 com lucros a crescerem 66% influenciados pelas operações cambiais 
© Fotografia por: DR
Banca fecha 2023 com lucros a crescerem 66% influenciados pelas operações cambiais 

As contas de balanço de todo exercício financeiro de 2023 dos bancos que divulgaram os seus relatórios e contas registaram um crescimento de 65,8% 'empurrados' pelo crescimento do crédito a cliente e depósitos, além das operações cambiais, de acordo com o Banca em Análise, da Deloitte.

A ajudar esteve, entre outros,  a subida do  produto bancário, com  aumento de 48%. 

Este aumento traduz-se ainda pelo crescimento de 261% dos resultados cambiais que totalizaram 452 mil milhões de kwanzas, decorrente da desvalorização cambial do Kwanza face ao Euro e ao Dólar norte-americano, bem como pelo crescimento dos Resultados de activos e passivos financeiros avaliados ao justo valor através de resultados, em torno dos 180 mil milhões de kwanzas face ao período homólogo resultante da mais-valia gerada pela alienação de dívida pública Angolana efectuada por alguns Bancos.

A 18ª edição do Banca em Análise, ficou marcada por uma evolução positiva do sector,  tenho registado um aumento do crédito líquido concedido a clientes  na ordem dos 40%. O volume de depósitos registou um aumento na ordem dos 31% face a 2022, ainda que inferior ao aumento da massa monetária, que registou uma variação de 37,8% em 2023, o que se traduz no aumento de numerário em poder do público, instituições e empresas que não foi capturado pelo sector bancário.

No período referente,  a rede de Cartões Multicaixa Emitidos cresceu 10,5% e o número de Caixas Automáticas (ATM), 11,1% respectivamente. As transacções em TPA cresceram 25% e o Multicaixa Express tem vindo a reforçar a sua popularidade com um aumento de 54,9% em 2023. 

Todavia, o comércio electrónico, que tem vindo a ganhar expressão no mercado nacional, registou um aumento de 48% nas transacções totais efectuadas na banca.