BFA ‘acelera’ corrida para o financiamento do agro-negócio com parceria de três anos com o 2º maior banco holandês.

Objectivo é desenvolver o sector da Agro-industria alimentar no País e fazer do BFA o banco do Agro-negócio, através do fomento da actividade agrícola, com financiamento e preparação dos técnicos. Ao Kieto Economia, gestores de topo do gigante angolano em lucros líquidos garantiram que o financiamento ao sector agrícola entre para os produtos ‘core’ do banco.

Dário do Leste

O Banco de Fomento Angola (BFA) elevou mais uma velocidade na sua corrida ao fianciamento do Agro-negócio, ao juntar-se ao segundo maior banco da Holanda, o RaboBank, nos desafios do fomento da actividade agrícola no País, soube o Kieto Economia de fonte da administração da instituição.

Para já, esta parceria permitirá entre o BFA e o holandês Rabobank permitira com que o instituição angolana beneficie do apoio e experiência do do player do mercado bancário dos Países Baixos para a concretização da ambição de ser o Banco do Agronegócio em Angola.

De acordo com a nossa fonte, este protocolo de reforço às operações do BFA no que ao financiamento do agronegócio diz respeito resulta de uma missão da Embaixada do Reino dos Países Baixos em Angola em parceria com a Agência de Negócios daquele Estado, realizada entre os dias 12 e 14 de Setembro de 2023.

Esta missão contou com a participação de produtores nacionais, nomeadamente de fruta tropical, horticultura, logística de frio, e visou proporcionar às empresas angolanas dedicadas ao agronegócio e logística, oportunidades para acederem ao mercado europeu e aumentarem as exportações entre Angola e o Reino dos Países Baixos.

“Durante a missão, foi também assinado entre o BFA e o Rabobank, um memorando de 3 anos, que tem como objectivo, impulsionar o desenvolvimento do sector agro-alimentar em Angola, tornando-o mais resiliente às alterações climáticas”, lê-se numa nota da instituição bancária que sustenta a informação.

O BFA foi representado por uma delegação de 4 Colaboradores e um Cliente, liderada pelos Administradores Executivos, Dr. Sebastião Massango e Dr. Paulo Silva.

Novos rostos no conselho de administração

O BFA tem, desde o final do primeiro semestre, novos membros dos órgãos sociais. Apesar da renovação nos rostos e recodução de outras importantes figuras, a  lista com novos nomes dos órgãos sociais do Banco de Fomento Angola (BFA), aprovada pelo Banco Nacional de Angola (BNA), integra nomes de importantes figuras com ligações ao Governo e as que já exerceram cargos na administração do Estado, as denominadas Pessoas Política Expostas (PEPs, na sigla em inglês).

Trata-se de Armando Manuel, antigo ministro das Finanças, e de Alcides Safeca, antigo secretário de Estado do Orçamento do mesmo ministério , apurou o Primeira Página, no cruzamento de fontes.

Da lista, consta ainda o nome de Coutinho Nobre Miguel, antigo gestor do Banco Sol, banco que tem no capital societário uma importante empresa ligada ao Partido MPLA, a GEFI, que sustenta o Governo.

De acordo com a Lei de prevenção e combate ao branqueamento de capitais, são pessoas politicamente expostas os indivíduos nacionais ou estrangeiros que desempenham, ou desempenharam, funções públicas proeminentes em Angola, ou em qualquer outro país ou jurisdição ou em qualquer organização internacional. Na prática, serão PEP quem mantiver qualquer tipo de influência em termos políticos.

 

BFA ‘acelera’ corrida para o financiamento do agro-negócio com parceria de três anos com o 2º maior banco holandês

Objectivo é desenvolver o sector da Agro-industria alimentar no País e fazer do BFA o banco do Agro-negócio, através do fomento da actividade agrícola, com financiamento e preparação dos técnicos. Ao Kieto Economia, gestores de topo do gigante angolano em lucros líquidos garantiram que o financiamento ao sector agrícola entre para os produtos ‘core’ do banco.

Set 26, 2023 - 15:19
Última atualização   - 11:30
BFA ‘acelera’ corrida para o financiamento do agro-negócio com parceria de três anos com o 2º maior banco holandês
© Fotografia por: DR
BFA ‘acelera’ corrida para o financiamento do agro-negócio com parceria de três anos com o 2º maior banco holandês

Dário do Leste

O Banco de Fomento Angola (BFA) elevou mais uma velocidade na sua corrida ao fianciamento do Agro-negócio, ao juntar-se ao segundo maior banco da Holanda, o RaboBank, nos desafios do fomento da actividade agrícola no País, soube o Kieto Economia de fonte da administração da instituição.

Para já, esta parceria permitirá entre o BFA e o holandês Rabobank permitira com que o instituição angolana beneficie do apoio e experiência do do player do mercado bancário dos Países Baixos para a concretização da ambição de ser o Banco do Agronegócio em Angola.

De acordo com a nossa fonte, este protocolo de reforço às operações do BFA no que ao financiamento do agronegócio diz respeito resulta de uma missão da Embaixada do Reino dos Países Baixos em Angola em parceria com a Agência de Negócios daquele Estado, realizada entre os dias 12 e 14 de Setembro de 2023.

Esta missão contou com a participação de produtores nacionais, nomeadamente de fruta tropical, horticultura, logística de frio, e visou proporcionar às empresas angolanas dedicadas ao agronegócio e logística, oportunidades para acederem ao mercado europeu e aumentarem as exportações entre Angola e o Reino dos Países Baixos.

“Durante a missão, foi também assinado entre o BFA e o Rabobank, um memorando de 3 anos, que tem como objectivo, impulsionar o desenvolvimento do sector agro-alimentar em Angola, tornando-o mais resiliente às alterações climáticas”, lê-se numa nota da instituição bancária que sustenta a informação.

O BFA foi representado por uma delegação de 4 Colaboradores e um Cliente, liderada pelos Administradores Executivos, Dr. Sebastião Massango e Dr. Paulo Silva.

Novos rostos no conselho de administração

O BFA tem, desde o final do primeiro semestre, novos membros dos órgãos sociais. Apesar da renovação nos rostos e recodução de outras importantes figuras, a  lista com novos nomes dos órgãos sociais do Banco de Fomento Angola (BFA), aprovada pelo Banco Nacional de Angola (BNA), integra nomes de importantes figuras com ligações ao Governo e as que já exerceram cargos na administração do Estado, as denominadas Pessoas Política Expostas (PEPs, na sigla em inglês).

Trata-se de Armando Manuel, antigo ministro das Finanças, e de Alcides Safeca, antigo secretário de Estado do Orçamento do mesmo ministério , apurou o Primeira Página, no cruzamento de fontes.

Da lista, consta ainda o nome de Coutinho Nobre Miguel, antigo gestor do Banco Sol, banco que tem no capital societário uma importante empresa ligada ao Partido MPLA, a GEFI, que sustenta o Governo.

De acordo com a Lei de prevenção e combate ao branqueamento de capitais, são pessoas politicamente expostas os indivíduos nacionais ou estrangeiros que desempenham, ou desempenharam, funções públicas proeminentes em Angola, ou em qualquer outro país ou jurisdição ou em qualquer organização internacional. Na prática, serão PEP quem mantiver qualquer tipo de influência em termos políticos.